quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

poética






poética

o gosto de romã na boca
morde a minha boca
com tua boca de mulher
o mal-me-quer floriu na cama
ainda agora
é hora de brotar um outro fruto
o gozo absoluto
quando o amor vier

Artur Gomes

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

a traição das metáforas


com os dentes cravados na memória
entre cartas e performances A Traição das Metáforas

agosto 1996  eu acabara de falar o poema Cântico dos Cânticos Para Flauta & Violão, de Oswald de Andrade, no Sarau que rolava no hall do Hotel D´Allonder, em Bento Gonçalves-Rs onde acontecia o 4º Congresso Brasileiro de Poesia. Desci do palco e voltei a me sentar no chão em frente a Juliana Stefani que eu acabara de conhecer naquela noite. Ele me disse que gostaria de aprender a falar poesia daquela forma que acabara de ouvir.
Durante a semana circulando pelas Escolas e por outros espaços onde aconteciam os recitais não mais a vi. Mas quis o destino que voltássemos a nos encontrar, deste vez em fevereiro de 1997 quando ensaiamos e montamos uma performance com poemas de Paulo Leminski ilustrados por ela que apresentamos no point mais agitado das noites de Bentos Gonçalves naquela década, o extinto Bar Cachorro Louco.

A partir daí mantivemos uma longa correspondência via correios, discutindo poéticas, linguagens e arte em geral em  cartas carregadas de admiração mútua. Em 2002 Juliana criou a capa do meu livro BraziLírica Pereira: A Traição das Metáforas.

Artur Gomes




segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

alquimia


anti/lírica

um poema bashô aqui
nas 7 paredes do corpo
nos 4 cantos da casa
instigante satírico sarcástico
e ao mesmo tempo
esse ácido lirismo
é como um anjo
de belas brancas asas

Gigi Mocidade




 anti o falso moralismo

logo abaixo do umbigo
entre a flor e o tecido
a boca do desejo
esperando por um beijo
Gigi me dá o que tem de bom
a boca do desejo suja de batom

Federico Baudelaire 


alguimia

uma viagem entre o profano e o sagrado sacramento
o casamento palavra/imagem aline andava os tensos músculos do meu corpo caminhando em minha frente quando olhei pelas fendas da estrada as curvas do teu corpo da nuca ao calcanhar desejei o que estava entre a pele e o tecido ela se voltou num susto e me olhou como se entendesse tudo o que eu pensava naquele transe de cavalo em pradaria galopando o proibido corpo do poema em alquimia

Artur Gomes 

terça-feira, 28 de novembro de 2017

a flor branca do café


a flor branca do café

no casarão entranhado entre os cafezais às margens da BR 040 a alvorada dos pássaros é uma festa para os tímpanos bem antes dos primeiros raios de sol aline cheira o branco da flor do café e me oferece na boca a velocidade do tempo que em sacramento não tem pressa experimento a sensação de não estar ali e ao mesmo tempo estando é como se o tempo não existisse entre o fato consumado

Artur Gomes 
toda nudez não será castigada 

domingo, 26 de novembro de 2017

sessenta e nove



sessenta e nove
agora nunca mais verás de tudo o que ainda sei na república dos fundos o número é apenas 69 nas entre minhas das paredes e o cavalo que pasta entre as cercas de arames farpados e o muro que separa duas famílias em casas  abandonadas  das sagradas escrituras de São Sebastião do sacramento onde aline ainda procura por ali o amor que um dia fui

Artur Gomes



sexta-feira, 24 de novembro de 2017

pérola dourada


pérola dourada

houve um tempo
numa primavera passada
conheci pérola dourada
numa pedra onde o tempo
era saudade
por toda pelegrafia

na minha íris/retina
trouxe a pérola dourada
na menina dos meus olhos
olhando os olhos da menina
em cada pedra que havia

Federico Baudelaire
www.fulinaimicas.blogspot.com 

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

atentado poético


atentado poético

mesmo se eu estivesse nua você nunca saberia quem eu sou muitas vezes  ando trans/vestida com a espada de Ogum Beira Mar tenho o sal entranhado em minhas coxas e o veneno na língua como um poema/pomba que não é da paz um artefato anti/bélico que pode explodir neste instante enquanto V(l)ER.

Federika Lispector