terça-feira, 24 de maio de 2016

vertigem 9



vertigem 9

pedra dourada
não é uma metáfora
em minha carne de maio
em tantas almas de pedra
nas minas que provoquei
nas juras secretas que fiz
quando em teu corpo toquei

de pedra dourada
na língua trago guardado
o doce das águas do rio
molhado beijo - luísa
as marcas na minha camisa
sugadas da tua blusa
a flor do láscio que usa
entre as montanhas no cio

Artur Gomes




Nenhum comentário:

Postar um comentário